Dois artigos interessantes: Voluntariado dá saúde

Voluntários têm mais saúde e arranjam melhores empregos

ttp://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-03-20-Voluntarios-tem-mais-saude-e-arranjam-melhores-empregos

mw-680

Quem faz voluntariado tem tanta saúde como alguém cinco anos mais novo e consegue encontrar melhores empregos. Portugal foi um dos 29 países que participou neste novo estudo

Mesmo considerando outros determinantes de saúde, como o género, a idade, o nível de educação, o estatuto de migrante, o país de origem ou a crença religiosa, o grupo de investigadores da Universidade de Gante, na Bélgica, verificou que os voluntários têm significativamente mais saúde do que os não-voluntários. Na verdade, têm tanta saúde como alguém cinco anos mais novo e consegue encontrar melhores empregos. Esta é uma das conclusões de um novo estudo, que analisou dados de mais de 40 mil pessoas, espalhadas por 29 países europeus, incluindo Portugal.

Esta relação poderá estar associada indiretamente, segundo explicam, ao salário que os voluntários recebem, já que os dados também revelaram que estes têm um salário mais alto do que os não voluntários.

“Este resultado corrobora investigações anteriores, que mostram que ter atividades de voluntariado no currículo traz maiores oportunidades de emprego, especialmente para os não-nativos”, referiu Stijn Baert, um dos autores do estudo publicado, este mês, na revista Plos One.

Para além desta, os investigadores ainda apresentam três outras explicações possíveis para esta relação positiva entre o voluntariado e um melhor estado de saúde. A primeira diz que o voluntariado pode melhorar o acesso a recursos psicológicos (como a autoestima) e sociais (como a integração social e acesso a informação), tendo ambas um impacto positivo na saúde.

A segunda explicação sugere que o voluntariado, ao melhorar a atividade física e cognitiva, pode proteger as pessoas do declínio funcional e da demência quando forem mais velhas. A última hipótese apresentada pelos autores do estudo associa esta relação a uma descoberta neurocientífica, que revela que o voluntariado liberta hormonas como a ocitocina e a progesterona, ambas capazes de regular o stress e a inflamação.

 

Voluntários têm mais saúde e arranjam melhores empregos

http://www.destak.pt/artigo/296581-voluntariado-da-saude

 

19 | 03 | 2017   12.18H

O voluntariado dá saúde, garante um estudo feito com europeus, alguns dos quais portugueses.

Carla Marina Mendes | cmendes@destak.pt

O voluntariado dá saúde. Duvida? Então o melhor é olhar para um estudo da Universidade de Ghent, na Bélgica, que analisou dados referentes a 40 mil cidadãos europeus, portugueses incluídos, e concluiu que não só dá saúde, como está associado a um melhor emprego.

Publicado na revista científica PLOS ONE, o estudo confirmou que os aqueles que praticavam voluntariado são tão saudáveis como os não-voluntários cinco anos mais jovens. Aqui, foram tidos em conta outros determinantes da saúde, como o sexo, idade, escolaridade, religião e país de origem. E não restam dúvidas que o estado de saúde dos voluntários é melhor do que o dos restantes.

«Esta associação [entre voluntariado e saúde] é comparável, na sua dimensão, aos ganhos para a saúde conseguidos pelo facto de se ser do sexo masculino, cinco anos mais jovem ou nativo de um país, por oposição aos migrantes», explica Jens Detollenaere, um dos responsáveis pelo trabalho.

Um olhar mais atento permitiu verificar que os voluntários, apresentavam rendimentos mais altos. «Uma descoberta que vai ao encontro de estudos anteriores, que concluíram o mesmo e mostram que as atividades de voluntariado presentes nos currículos geram mais oportunidades de trabalho», esclarece outros investigador.

Mas há outras explicações que justificam o acréscimo de saúde. «Primeiro, o voluntariado pode melhorar o acesso a recursos psicológicos (autoestima ou maior eficácia) e a recursos sociais (integração social e acesso a mais apoio e informação), que têm um efeito positivo na saúde», refere a professora Sara Willem. «Em segundo lugar, o voluntariado aumenta a atividade física e cognitiva, que protege contra o declínio funcional e a demência.

Finalmente, as neurociências associam o voluntariado à libertação de hormonas como a oxitocina e progesterona, que têm a capacidade de regular o stress e a inflamação.»

Além do Bem

No final de 2016, a consultoria de engajamento Santo Caos (que esteve presente em nosso último encontro) realizou um estudo que aborda as principais motivações, percepções e opiniões de diversos públicos em relação ao Voluntariado, além da sua influência no engajamento de funcionários com as empresas em que trabalham. Os resultados desta pesquisa serão apresentados em um evento que acontecerá no dia 24 de março, em São Paulo. Acesse o link em nosso blog e increva-se: http://migre.me/wf8B7
#GEVEInforma #GEVE #VoluntariadoEmpresarial

CONVITE: encontro grupo de voluntariado empresarial 12 de abril

“Desenvolvendo a cooperação entre Voluntários”

Ministrado por: Cambises Bistricky  e Renato Milsoni Sócios da consultoria Projeto Cooperação dedicada  a serviços e produtos integralmente voltados  para a promoção da Cooperação.

Convite 12 de abril 2017 Grupo de Voluntariado Empresarial

INSCRIÇÃO: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfk66ve2aFw1TYwjjwX_7CUvc4cXUUbbmcfYySHybqa2DZjPw/viewform

Agenda:  Dia 12 de abril  das 8h30 às 12h30 

8h30 – café de boas vindas

9h00 às 12h – apresentação com atividades em grupo

12h00 às 12h30 –  conclusões

Evento de Lançamento – Além do Bem : um estudo sobre voluntariado e engajamento

Quem esteve conosco no encontro do Grupo de Estudos de fevereiro sobre engajamento sabe da curiosidade que ficamos para as conclusões da pesquisa realizada pela consultoria santo Caos.

O estudo traz as principais motivações, percepções e opiniões de diversos públicos em relação ao voluntariado. Também aponta os diversos perfis comportamentais dos voluntários, além da influência do voluntariado no engajamento dos funcionários com as empresas que trabalham.

O evento de lançamento  acontece:

Data: 24/03
Horário: 8h30 às 12h
Local: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3400
Auditório térreo – São Paulo/SP

Segue o convite e o link para a inscrição!

SANTO CAOS

 

http://hrkm.mjt.lu/lnk/ADwAH7Zh1hgAAUlc_SIAAGcDansAARrnHa0AGZypAAguZgBYxm7FIVSJnh7gS82GqwKROX8LzgAHx9M/2/SQklHPgtd9fvj9APzN4BoQ/aHR0cDovL2JpdC5seS9hbGVtZG9iZW1TUA

 

 

Como transformar os projetos voluntários em ações mais eficientes por meio da metodologia Design Thinking

A  pode ser aplicada no desenvolvimento de projetos sociais. A Fundação Telefônica Vivo desenvolveu um guia  muito fácil, prático e dinâmico. Resultado de um trabalho com os voluntários do Programa de Voluntariado, Edgard Charles Stuber  e Instituto Fonte.

O Guia Design Thinking Aplicado em Projetos Sociais é uma publicação da Fundação Telefônica Vivo que estimula novas ideias nas ações de voluntariado por meio da metodologia de Design Thinking.

Focado no ser humano, o processo desafia os modelos mentais existentes ao priorizar a participação dos que de fato vivem o problema na construção das respostas. Trata-se de um método de trabalho não-linear desenvolvido em quatro grandes fases: exploração do problema; entendimento; geração de ideias e experimentação de soluções.

A publicação foi baseada em uma ação realizada na Liga Solidária de São Paulo em 2016 e é composta por um conteúdo teórico agregado ao prático, facilitando o entendimento de cada etapa e tornando a leitura mais agradável. No final do conteúdo, ainda estão disponíveis fichas de exercícios para testar os conceitos aprendidos e facilitar o desenho de cada projeto.

“Design Thinking aplicado em projetos sociais”.

guia-design-thinkng-pdf-telefonica-vivo-projetos-sociais

resultado da Atividade de Grupo do encontro 8 de fevereiro

Confira o resultado da Atividade dos grupo no encontro 8 de fevereiro, que abordou o tema: Voluntários: como atrair os “não convertidos“ ou “desengajados”

A atividade trouxe o desafio de escolher ferramentas eficientes, interessantes e estratégias, para a persuasão e  engajarmos para o voluntariado o “não convertido”; sejam eles:

  • desinteressado
  • desinformado
  • descrente
  • desconfiado
  • discordante
  • desocupado

 

 

resultado-da-atividade-do-grupo-de-estudos-de-voluntariado-empresarial-8-fevereiro-2017