Voluntariado no Censo GIFE 2016

Realizada desde 2001 com os associados GIFE, a pesquisa aborda uma grande variedade de temas, fornecendo um panorama sobre estru­tura, forma de atuação, estratégias e programas das empresas e dos ins­titutos e fundações empresariais, familiares, independentes e comunitá­rios que destinam recursos privados para projetos de finalidade pública. A publicação analisa o conjunto dos dados coletados e traz uma leitura sobre os resultados do Censo GIFE, considera todos esses aspectos de mudanças e aprofundamentos, dando assim maior evi­dência às questões-foco da pesquisa neste ano.

Outro ponto importante a ser considerado na forma de atuação dos investidores
sociais diz respeito ao envolvimento de voluntários a partir de programas formais de voluntariado. O Censo GIFE 2016, além de repetir a questão sobre a existência de
um programa de voluntariado, também perguntou sobre o perfil dos voluntários e os objetivos desse programa.

censo GIFE
“Há um pequeno aumento da quantidade de respondentes que possuem
um programa formal de voluntariado, passando de 57% em 2014
para 60% em 2016. As empresas se destacam entre os respondentes
mais propensos a ter programas (82%), seguidas dos institutos e fundações
empresariais (69%). Quanto ao perfil dos voluntários envolvidos, cerca de metade dos
respondentes (49%) recrutam seus voluntários entre os colaboradores
da empresa mantenedora. Voluntários externos estão presentes em
30% dos programas de voluntariado, e colaboradores do associado estão
em 28% dos programas. A questão que aborda os objetivos do programa apresentou nove possibilidades de resposta, deixando ainda espaço para outras menções.
Conforme demonstrado pelo Gráfico 47, cerca de metade dos
respondentes entendem que seus programas de voluntariado têm por
objetivo o envolvimento e engajamento dos colaboradores das empresas
mantenedoras (47%), e 36% têm como objetivo o envolvimento e
engajamento da comunidade local.”

CONFIRA O CENSO GIFE 2016

censo GIFE 2016

Para conhecer as demais publicações:

http://gife.issuelab.org/resource/censo-gife-2016.html

 

 

Relatório 2017 sobre direitos humanos no Brasil

O Dia Internacional dos Direitos Humanos é celebrado anualmente em 10 de dezembro. A data visa homenagear o empenho e dedicação de todos os cidadãos defensores dos direitos humanos e colocar um ponto final a todos os tipos de discriminação, promovendo a igualdade entre todos os cidadãos.

aaaa4600e9827c448d29f7eeed4df962141f

A  data foi escolhida para honrar o dia em que a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou, em 10 de dezembro de 1948, a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Esta declaração foi assinada por 58 estados e teve como objetivo promover a paz e a preservação da humanidade após os conflitos da 2ª Guerra Mundial que vitimaram milhões de pessoas. A Declaração Universal dos Direitos do Homem enumera os direitos humanos básicos que devem assistir a todos os cidadãos.

 

O dia 10 de dezembro é também marcado pelo entrega do Prêmio Nobel da Paz.

E na semana dessa celebração foi publicado Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos: DIREITOS HUMANOS NO BRASIL 2017.  A 18ª edição do Relatório Direitos Humanos no Brasil foi lançada hoje (5) na capital paulista. O documento, organizado pela Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, apresenta um panorama das violações ocorridas em 2017. Entre os temas destacados estão as mudanças na legislação trabalhista e no sistema previdenciário, o aumento das mortes por conflitos agrários, os massacres ocorridos em prisões do país e a restrição do investimento público em áreas sociais. O relatório é formado por 33 textos que abordam diversos aspectos dos direitos humanos no último ano, nas áreas dos direitos civis, políticos, econômicos, culturais, sociais e ambientais.

relatorio_direitos humanos Brasil_2017

 

 

Pesquisa do IBGE traz também o Trabalho Voluntário

Dados, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad contínua), foram divulgados nesta quinta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa inclui também os dados sobre trabalho voluntário no Brasil: 6,5 milhões de pessoas se dedicaram a este tipo de trabalho em 2016, com proporção parecida entre homens e mulheres e maior percentual entre as pessoas que já exerciam trabalho remunerado. Quanto aos locais da prática do voluntariado, mais de 80% das pessoas realizaram essa atividade em congregações religiosas, sindicatos, condomínios, partidos políticos, escolas, hospitais e asilos.

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – 2016

Pesquisa IBGE 2017 release

ibgePesquisa IBGE 2017 doc5360

BISC 2017: voluntariado empresarial uma estratégia de ganha ganha

O Benchmarking do Investimento Social Corporativo – BISC foi criado em
2008, inspirado no trabalho do CECP, instituição com a qual a intercâmbio permanente de ricas experiências. Desde então, a pesquisa foi assumindo novos contornos, buscando, cada vez mais, operar como uma ferramenta de apoio
à gestão dos investimentos sociais corporativos.

 

Esta edição que comemora os 10 anos BISC 2017 buscou identificar:

24131466_1578083178945890_1370056688618405532_nas dificuldades ainda presentes; e as sugestões para aprimoramentos futuros.

as diferenças no perfil da atuação do grupo; os caminhos percorridos; as

 

Voluntariado Empresarial está presente e  as empresas reconhecem as melhorias e os bons resultados.

BISC_2017_digital_FINAL

Versão também em inglês:

BISC_2017_internet_EN

 

 

 

 

 

BISC 10 ANOS COMPROVA: cada vez mais empresas investem em programas de voluntariado como estratégia de “ganha-ganha”

A pesquisa Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC) 2017 aponta que cada dia mais empresas apostam em programas de voluntariado como tendência para desenvolvimento dos funcionários, da comunidade e da própria empresa.                                                                        Na última década, segundo a pesquisa – que realizou uma retrospectiva dos caminhos 24131466_1578083178945890_1370056688618405532_npercorridos pelas empresas do grupo, no campo social, desse período – o número de colaboradores envolvidos nos programas de voluntariado das empresas passou de 41.000 para 62.842. Este ano, a pesquisa abrangeu o universo de 268 empresas e 18 institutos e fundações empresariais.

Além disso, cresceu entre as empresas a percepção de que os programas de voluntariado são muito bem-sucedidos;  e ainda amadureceu o entendimento de que os colaboradores e as empresas se beneficiam dos programas de voluntariado.

 

Hoje, 100% das empresas consideram que eles contribuem para a melhoria nas relações com as comunidades; em 2012, esse percentual era de 81%. Por outro lado, 100% discorda totalmente da afirmação de que o trabalho voluntário “não traz benefícios para os colaboradores” – esse percentual era de 74%.

Além da melhoria da relação com o entorno, que paira como principal benefício segundo as lideranças das empresas integrantes do grupo BISC, existem diversas outras vantagens no desenvolvimento e estímulo da criação e manutenção de programas de voluntariado corporativo. A contribuição para a melhoria de vida e o estreitamento da relação com os moradores, o retorno em imagem positiva para a empresa, bem como o desenvolvimento de habilidades dos funcionários – como liderança, comprometimento e trabalho em equipe –, também elevam o programa de voluntariado à uma importante iniciativa para geração de valor.

Confira a publicação em português e inglês.

BISC_2017_digital_FINAL

BISC_2017_internet_EN

O otimismo em relação aos resultados não altera, no entanto, o reconhecimento das dificuldades enfrentadas para manter e fortalecer os programas de voluntariado. Pelo contrário, hoje as empresas estão mais preocupadas em avaliar sua atuação no campo social e percebem, com mais nitidez, a dificuldade para medir os resultados do trabalho voluntário, por exemplo.

Apresentações do encontro de 6 de dezembro: Voluntariado Empresarial quebrando paradigmas e disseminando temas direitos LGBT, ética e inclusão.

Seguem as apresentações do encontro de 6 de dezembro, gentilmente compartilhada por nossos palestrantes voluntários.

Direitos LGBT

Reinaldo Bulgarelli  – Txai Consultoria

Voluntariado e Diversidade Reinaldo Bulgarelli

Camila Maria Lins Borba  Banco do Brasil e Mapfre

Apresentação_BancodoBrasileMAPFRE

Ética

Fábio Risério  – Além das Palavras

Apresentação_Compliance_Fábio Risério

Mayra Collino Rodrigues Dos Santos      –   Siemens

Apresentação Siemens_ EduComÉtica_atual

Inclusão

Carolina Ignarra

Apresentação Inclusão_Carolina Ignarra TalIncluir

 

IMG-20171206-WA0001